A santidade é a vocação comum de todos os cristãos. E muitas pessoas testemunham com sua própria vida que é possível optar por Jesus Cristo e levar esta opção até as últimas consequências.

“Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a vida por seus amigos.” Esta passagem de João, no capítulo 15, versículo 13, expressa a grandeza do gesto que poderá eternizar a história de Franz de Castro Holzwarth. Um leigo católico que entregou sua vida por uma parcela da sociedade ignorada: os detentos. Um homem, que testemunhou profundamente, seu amor a Deus, pela prática da fé, da esperança e do amor. Entrou na Apac, para partilhar com os irmãos prisioneiros, o seu conhecimento, e principalmente, partilhar do seu amor. Deu a sua vida pela Apac, participando, inclusive, da direção da Associação. Morreu tentando impedir outras mortes. Agora a Igreja busca o reconhecimento de sua atitude, a do martírio, que ele não procurou, simplesmente deixou acontecer por amor.

Temos a certeza de que Franz foi um cristão autêntico. Foi um profissional exemplar e responsável. Viveu intensamente o seu compromisso com Deus, com a Igreja, com a sociedade, com a profissão, com os irmãos, dedicando-se ao serviço dos mais necessitados. Franz de Castro foi um homem de profundo amor a Deus. Testemunhou isso pela prática da vida religiosa. Agora, repousa na mesma Igreja, onde diariamente participava da Santa Missa, a Matriz São José.

Dom Moacir Silva
Bispo Diocesano de São José dos Campos

Anúncios